Arquivo para agosto, 2010

Sempre Alerta!

Posted in idéias descabidas on agosto 23, 2010 by Mr. T

festa junina-2009

Acabo de botar fogo em mais uma pequena pilha de folhas secas que aos poucos vou tirando de meu quintal.

Um pouco pelo meu lado piromaníaco (sim, ele existe), um pouco pela falta que algumas coisas me fazem na vida.

Uma dessas coisas é exatamente uma fogueira queimando na noite.
Uma fogueira ao lado de amigos, e possivelmente assando algumas batatas enroladas em papel alumínio.

Momentos como os de hoje, me levam diretamente ao tempo em que fui escoteiro.
Sim, amigos. Alguns podem achar estranho mas boa parte da infância e adolescência deste que vos escreve foi de uniforme caqui (e antes disso, azul marinho).

Foram pelo menos 8 anos junto do movimento escoteiro. Oito bons e longos anos.

Creio já ter falado por aqui, esta minha tentativa de reater algumas coisas que me agradam e que por algum motivo foram esquecidas no passado.
Esquecidas não, apenas deixadas de lado.
Aquilo que nos é importante de algum modo,  acho que nunca esquecemos de verdade.

Confesso que esqueci da maior parte dos nós de amarra que aprendi.
Acho que também não devo saber mais todos os sinais de pista que sabia.
Provavelmente ainda me lembro como fazer uma tipóia ou como identificar uma cobra peçonhenta de uma não peçonhenta. (com um pouco mais de esforço, o que fazer se for picado pela primeira)

Ainda trago comigo aquele sentimento de algumas horas de caminhada em fila indiana, de ir dormir moído de cansaço e ser acordado às 6 da manhã por um apito e ter apenas 15 minutos para se apresentar com uniforme impecável.
Ou a sensação de dividir histórias de terror e confissões da vida, ao redor de uma fogueira que queimará a noite inteira e espantará o frio cortante comum quando se está longe da cidade e dos pais.
A sensação de confiança e camaradagem que tinhamos um com os outros. Aquela que é impossível de entender, se não teve pelo menos uma experiência semelhante na vida.

É, sinto falta de passar algumas horas da madrugada ao redor de uma fogueira.
Aquele dançar hipnotizante das chamas, o calor reconfortante, a surpresa dos estalos da madeira.

Em breve não terei mais muito o que queimar.
Terei que me contentar com a chama azul e controlada do fogão, ou esperar as festas de São João do próximo ano, e ter  a sorte dos amigos marcarem viagem ao sítio de um deles, para que possa, finalmente, me aquecer próximo de uma fogueira.

É estranho imaginar como algo tão simples, tão pequeno e aparentemente fútil como uma fogueira pode nos fazer tanta falta, ou nos representar tantas memórias.

“It’s evolution, baby”

Posted in idéias descabidas on agosto 8, 2010 by Mr. T

Mudanças.

As vezes a vida clama por elas.
Precisamos sair da estagnação do cotidiano, abrir nossos corações para o novo e saltar de cara.
Nem precisa de um salta ornamental, é só cair de barriga mesmo.

Não digo que seja fácil, pelo contrário.
Acho que é bem difícil.

Eu estou tentando.
Começo a juntar necessidades.
Aproveito que preciso de uma atividade física e arrumo uma bicicleta pra pedalar por ai. ^^

Estou pensando seriamente em começar a divulgar minhas fotos.
Não minhas, eu como modelo. mas as fotos que eu registro.

Estava pensando nisso outro dia, tenho ZERO em “Marketing Pessoal”
não sei divulgar nada que faço, na verdade, sempre acho que soa meio idiota quando falo de algo meu.
Parece como ficar elogiando o próprio filho, sabem? Você fica lá, rasgando elogios, mas todo mundo sabe que a porra do moleque é um capeta. hehehe

Acho que pode ser uma boa começar a publicar algumas fotos e participar de alguns foruns e encontros de fotografia.
Nem é algo que eu ache que faço bem, mas é algo que gosto.
Na verdade, me preocupo pouco com o resultado final, gosto mesmo é do momento. A hora que eu, fotografo, aciono a camera, o “click”.

Mas isso tem pouco a ver com o que eu estava falando. Desculpem-me. É a tequila. XD

Eu falava de mudanças e o quanto elas são necessárias a nossa vida.
Bom, na verdade, de vez em quando a ausência delas nos conforta.

Estar em ambiente conhecido traz o conforto da segurança.
Mas evoluir é preciso. Com a evolução, a mudança.

A um tempo atrás eu havia decidido aprender uma coisa nova por semestre, ou por ano.
Tocar violão, língua estrangeira, softwares profissionais, qualquer coisa.

Acho que é uma atitude boa, que só me trará benefícios.
Retomei minhas aulas de inglês e estou na pendência do escritório me pagar um curso de Revite.
Se não pagar, tento aprender por conta própria. rsrsrs
O importante é me manter no plano.

O próximo será aulas de violão. Preciso aprender a tocar logo isso. Já descobri que sou um péssimo auto-ditada em música, então terei mesmo que fazer aula.

Depois disso, quem sabe pintura com aquarela? Acho que no fundo sempre tive vontade de aprender isso. hehehe
É uma boa hora de começar.

E você, qual será a próxima coisa que quer aprender?

aprende-se

Posted in idéias descabidas on agosto 3, 2010 by Mr. T

Lembro a alguns anos, quando comecei estudar inglês, tivemos uma aula com a música You Learn da Alanis.

Nunca havia prestado atenção na letra, e gostei bastante quando a estudamos.

Infelizmente, é só na experiência da vida que descobrimos que ela é mais real do que pensamos.

Do que vale, afinal, a vida? Se não for pela própria experiência de se viver?
De que vale o fim, se o durante não for interessante?

E é nesse durante, nos percausos que ela nos impõe, que aprendemos.

Hoje aprendo que palavras não me valem.
Hoje decidi que não quero, nunca mais, ouvir um “eu te amo“.

Do que vale um “eu te amo”, se for composto apenas de palavras?

Confesso, tem sido uma lição dura. Mas nosso amigo alemão já não sabia que “aquilo que não me mata, me fortalece“?

Pois então, pretendo estar mais forte quando as feridas cicatrizarem.
Pretendo optar por não ouvir tudo aquilo que não forem capazes de cumprir.

Uma frase minha que tem se transformado duramente em realidade, palavras são só palavras.

Pretendo viver de ação, de mostrar que palavras não precisam ser ditas, precisam ser sentidas.

Quem não passou por uma experiência em que palavras não eram necessárias?
E elas não são!
Elas são só palavras.

É pelas ações que caminhamos no percurso da epopéia da vida.
Ações são sinceras, espontâneas, irreverssíveis.

Sinto por não ser um post estupendo como esperado, mas era algo que eu precisava fazer.
Algo a ser colocado para fora, um monstro a ser exposto e, finalmente, superado.

Talvez eu me saia melhor, com essas palavras ditas pelos dedos.
Talvez você que está lendo não concorde com o que eu digo.

Talvez eu não devesse clicar em “publicar”, mas eu clico.
Eu também falo (ou ajo) quando não devia.

Erro, me arrependo. Fico triste, choro.
Faço isso tudo.
Por sorte, também sei que amanhã é mais um dia.
Já aprendi, de carnavais passados, que o tempo é um ótimo remédio, ainda que amargo.