chuvas e janelas

A chuva caia grossa.
O garoto olhava admirado, a vontade era de correr, arrancar o tênis e brincar na enxurrada que descia com a água da chuva.
Mas ele não podia, estava atrás da roupa de escritório, o sapato e a camisa, aqueles que espera-se que um adulto use quando vai para aquele lugar chato, todo santo dia, fazer sei lá o que.
O garoto não entendia muito bem o porquê de não poder ir lá fora.
“Chuva nunca matou ninguém, oras”, dizia mentindo.
Sabia que era mentira, mas era a única verdade a ser dita aquela hora.
Mentira.
A verdade é que não era mais um garoto, apenas o reflexo do que fora um dia.
Agora tinha que ir para seu trabalho, aquele lugar que não entendia antes o que era, mas agora, nem o parecia assim tão chato.
Bom…
Mais chato que descer na enxurrada na chuva, com certeza.

Anúncios

2 Respostas to “chuvas e janelas”

  1. São Serennus e Alehgres lutando dentro da cabeça do sujeito.

    Realmente, é preciso respirar de vez em quando, deixar-nos ter os pequenos prazeres.

  2. alguem que fica triste no natal Says:

    lindissimo texto…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: